Textos

27 de fevereiro de 2013

Sinestesia | Utopia

Acordou em meio a uma curva fechada. Estranhou. Não se lembravam das curvas. Até então tudo era reto e marrom. Abriu os olhos e viu a paisagem terrosa. Desembaçou a vista com a sua mão branca. Viu um horizonte vermelho. Pulsou seus olhos e encheu o coração. Hipnotizada. Vibrava sangue. Seu corpo se esqueceu das dores das curvas. Era como voltar a dormir, acordada. Por um momento fechou os olhos e pensou: “utopia”. Até que veio outra curva. O céu voltou a desmanchar o vermelho da terra. A vista acalmou e então pôde ver. Não estava só. Ele tinha uma mão no volante e a outra ao seu lado. O vermelho da paisagem foi parar na sua face. Foi então que passou seus dedos por entre os dele. Ele segurou sua mão e a beijou como se fosse seu rosto. Isso porque seu rosto estava muito ocupado. Em sorrir.

 

* Imagem de Daniella Domingues.

Ana Luiza Gomes
Leia mais textos de Ana Luiza aqui.