Fabiane Secches

Editora da Confeitaria.

“Fabiane Secches já nasceu escrevendo. Ok, é um exagero. Mas depois que aprendeu a ler e a escrever, ela nunca mais parou. Fabiane não teve bonecas, teve livros -- último exagero, prometo, mas o amor que essa moça nutre por literatura não é ficção. Eu nunca conheci uma pessoa tão apaixonada por palavras. Na adolescência, já escrevia peças de teatro, contos, crônicas e romances -- quando o repertório da maioria de nós não passava de uns cartões de Natal.

Muito antes da popularização do email, Fabiane já mandava cópias de seus manuscritos para os colunistas favoritos e pedia POR FAVOR que opinassem.

Ao mesmo tempo em que cursava Direito (ah, sim, teve isso: Fabiane tentou ser advogada, o que quer dizer que estudou Direito na Universidade de São Paulo e trabalhou em um prestigioso escritório de advocacia em São Paulo), ela resenhava filmes de Woody Allen, Almodóvar e alguns diretores que você nunca ouviu falar -- quer prova maior de que o coração dela desejava estar em outro lugar?

Estudou redação na Miami Ad School/ESPM e trabalhou escrevendo em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Hoje, enriquece o mercado editorial (estou poética, me deixa!) com a leveza de uma pluma e o respaldo de uma biblioteca. Ela leva a vida escrevendo, como desde o começo era óbvio que faria.

Quando não está na agência, Fabiane pode ser encontrada em uma livraria (de bairro, de shopping, de aeroporto, qualquer uma) ou acariciando as suas gatinhas em casa. O buraco que existe dentro dela, e que apenas todos os livros do mundo podem preencher, ela ainda leva um tempinho tapando."

Por Flávia Stefani Resende (2012)

Todas as publicações

Meu Primeiro Gradiente

publicado em 08 de março de 2013

Desde os 6 anos, Laura andava pra cima e pra baixo sempre com um gravador a tiracolo: o Meu Primeiro Gradiente. O microfone, ela…

Imaginação

publicado em 15 de dezembro de 2012

Era um desses escritores que não confiava na própria imaginação. Precisava sair e encontrar histórias. Sua ex-mulher, Carmen, dizia que isso era apenas um pretexto…

O amor

publicado em 17 de novembro de 2012

— E essa foto? — É do Henri Cartier-Bressom. — Arrã. Eu conheço. Mas por que você pendurou aqui, em cima da sua cama?…

Apenas uma carta de amor

publicado em 31 de outubro de 2012

Dizem que geografia é destino. Pois bem. Por um desses caprichos da vida, eu, bisneta de italianos, neta e filha de paulistas, fui nascer…

Cartas | Escolhas e Renúncias

publicado em 28 de outubro de 2012

“Querida V.,   Eu queria poder ser todas as pessoas que estão em mim, mesmo as mais contraditórias. Eu queria ser a mãe dedicada…

Diferente e igual

publicado em 11 de outubro de 2012

Hoje me ocorreu que talvez seja mais fácil colocar algum juízo em quem não tem nenhum, do que tirar um pouco de quem tem…

Nome é destino

publicado em 25 de setembro de 2012

Quando soube que era uma menina, a mãe não teve dúvidas: – Vai se chamar Gabriela. O pai, no entanto, bateu o pé. Gabriela…

Camila

publicado em 15 de maio de 2012

Dizem que quando o caçula chega na família, o filho mais velho sempre fica enciumado. A minha história é diferente. Eu só tinha um…