Fabricio Teixeira

Dizem que na profissão que escolhi é preciso saber se colocar no lugar das pessoas para entendê-las. Fazendo isso é possível deduzir o que elas pensam, o que elas querem e do que elas precisam. Esses textos são um ensaio sobre algumas dessas pessoas e uma tentativa, obviamente frustrada, de compreendê-las.

Todas as publicações

Do que faz o tempo parar

publicado em 12 de janeiro de 2016

Ouve essa música. Ok. Espera, vou dar play aqui também e a gente ouve juntos. 3, 2, 1… Play. Play. A janela para de…

No meio do caminho tinha um outro caminho

publicado em 14 de setembro de 2015

Foi então que reparou em algo diferente enquanto andava pela rua naquele dia, pelo mesmo caminho corriqueiro que traçava todas as manhãs. Uma mensagem…

Meu celular ainda lembra a senha do seu wi-fi

publicado em 13 de março de 2015

E ainda assim só é possível distinguir seu contorno — apesar de eu sempre achar que o contorno das lembranças é a parte que dói mais.

First Bad Man

publicado em 10 de março de 2015

O que aprendi com July. Miranda July é uma artista da nossa geração. Assim como nós, ela carrega em si uma honestidade massacrante, que…

Empatia

publicado em 25 de fevereiro de 2015

“A empatia é a resposta afetiva vicária a outras pessoas, ou seja, uma resposta afetiva apropriada à situação de outra pessoa, e não à…

What’s happening in Brazil?

publicado em 27 de outubro de 2014

– What’s happening in Brazil this week, dude? I see all these posts on Facebook from my Brazilian friends… – Elections. They’re just now…

Essa casa de crescer sonhos

publicado em 13 de outubro de 2014

Então Alexandra me contou do dia em que mudou para essa cidade, para o trabalho novo. A profissão que de certa forma compartilhávamos tinha…

Dos franceses

publicado em 03 de agosto de 2014

Sentada no velho sofá, ela falava sobre os filmes de seu país, enquanto ele deitava na cama em diagonal, como se tentando fazer caber…

Sobre o incerto

publicado em 30 de junho de 2014

As melhores épocas da vida são as mais incertas. Como quando você abre uma página de “ligue os pontos” no seu passatempo preferido e…

Dos que nunca dormem

publicado em 14 de abril de 2014

Olhou mais uma vez pela janela e viu a multidão de sempre. Cada um de uma cor. Na primavera, as pessoas voltavam a levar…

Zari

publicado em 08 de abril de 2014

A cabeleireira se chamava Zari. Iraniana, mas com cara de americana sexagenária que se vestia e movia como se estivesse em um seriado dos…

Habilidades

publicado em 15 de janeiro de 2014

Das habilidades que desenvolvi depois dos 25: – Saber que a ligação não é para mim simplesmente porque o telefone está tocando. – Saber…