Liliane Prata

Jornalista e filósofa por formação, escritora e mãe por vocação e eterna aprendiz por natureza. Entre um roteiro aqui e um freela ali, vivo de escrever. Tenho sete livros publicados, entre eles o infantojuvenil "O Diário de Débora" e os adultos "Três Viúvas" e "Sem Rumo". Medito. Costumo ter uma visão cordial da existência, da humanidade dos outros e da minha própria. Gosto de gente e de ficar sozinha, de doces bem doces, café sem açúcar e meus livros preferidos vão de "Ilusões perdidas" a "Comer rezar amar".

Todas as publicações

Esperando

publicado em 12 de janeiro de 2016

Sento no banco, olho para um lado, olho para o outro, suspiro. Olho as horas, tentando entendê-las, mas agora isso não me é possível:…

Minhas leituras favoritas em 2015

publicado em 18 de dezembro de 2015

O Ciclista, Walther Moreira Santos Estou escrevendo ainda no calor pós-leitura. Esse romance entrou desde o primeiro parágrafo no meu rol de preferidos não…

Mil noites com o mesmo homem

publicado em 11 de maio de 2015

Em algum momento do meu jantar comemorativo de sete anos de casamento, parei de pensar no quanto eu o amava/no quanto eu era privilegiada…

A nossa casa

publicado em 23 de fevereiro de 2015

— Cresci sem ouvir uma lágrima dos meus pais, sem presenciar um grito, um só grito que fosse – ela diz assim que entra no consultório. Estão…

Eu sabia!

publicado em 17 de março de 2014

– Ah, eu sabia! A frase veio da minha boca, depois que meu irmão me contou sobre o divórcio de um conhecido nosso. O…

Dez anos depois

publicado em 20 de fevereiro de 2014

Fazia quase dez anos que não se viam. Encontraram-se por acaso, numa livraria, ele agora de barba, ela agora com o cabelo mais curto….

A distração de Pedro

publicado em 05 de dezembro de 2013

Chamava-se Pedro. Seu corpo era forte, sempre havia sido. Nunca foi criança, nasceu um adulto pequeno, olhos que nunca sorriam, rosto que envelhecia num…

A maior aflição de todas

publicado em 12 de setembro de 2013

Foi assim: eu estava esperando um telefonema, e o telefonema não vinha, e eu ia ficando cada vez mais aflita. Era uma resposta que…