Textos

21 de Março de 2014

Vinte e seis

Quem vai me segurar nessa manhã complicada? Acho que terei que caminhar solitária, como em todas as manhãs. Ninguém tem tempo…

Melhor dormir pra não pensar, trabalhar pra não sentir (o coração, rasgando novamente). E lá vou eu remendar (quando tiver tempo).

“Alguém pode, por favor, me consertar?”

Era capaz de me abrir com qualquer passante na rua que parasse pra me ouvir.

“Ora, mas sou mais forte que isso”.

E então, escuto a mesma música várias vezes, nesse dia perdido. No tempo.

Coque, collant e sapatilha.

“Se eu der sorte, talvez só sinta dor muscular”.

Mãos na barra, hora de entrar no universo paralelo que me salva por um breve período. De tempo.

“Quantos anos eu já tenho mesmo?

Pliés, relevés, jetés. 26.

 

Imagem: GirlieErin

Carolina Lancelloti
Leia mais textos de Carolina aqui.