Autores convidados
Jorge Sato
16 de Janeiro de 2014

Islândia

A Islândia é um daqueles lugares que parece ter saído de um sonho, com cenários surreais, dias intermináveis durante o verão e uma paz no ar que é indescritível, sem exageros. Mas antes de entrar em detalhes, seria bacana contar como essa história começou.

Nunca tinha pisado na Europa até 2011, quando tive a felicidade de ser o representante das Américas no concurso global da Lomography para visitar a sede da empresa em Viena. Isso significava duas coisas: realizaria meu desejo de visitar o velho continente e teria chance de realizar um sonho ainda maior: Islândia.

Para entender o porque dessa relação islandesa, é importante voltar um pouco mais no tempo. O motivo é a banda Sigur Rós, mais especificamente o clipe Glósóli. Por algum motivo bizarro, coloquei em minha cabeça que um dia eu visitaria aquele penhasco e que fotografaria naquele precipício.

Essa era a grande chance. Passagens e hostel reservados, guia do Lonely Planet preparado, “Takk Fyrir” (“muito obrigado”) decorado, mas como chegar naquele lugar? Sendo uma ilha, era bem provável a existência de muitos desfiladeiros pelo país. Então começou aquela interminável pesquisa atrás de making of do clipe, mas sem sucesso. Consegui descobrir que a produtora se chamava Arni & Kinski. Enviar uma mensagem amistosa foi a primeira ideia. Mas claro que no site não havia emails, nomes ou endereços. Perfeito.

O espírito stalker bateu forte e comecei a pesquisar sobre o tal Arni & Kinski. Em um site islandês (Google Translator, te devo uma…) descobri que eram os sobrenomes dos diretores de Glósóli. Adivinha só? Sim: Facebook! Com o nome completo em mãos, achei os dois por lá, mas escolhi só um para tentar a sorte, porque de penta já há muitos nesse mundo. Tentei o Arni, porque tinha uma foto mais família e expressão camarada. Contei a história do prêmio, do videoclipe, do sonho.

Sim, ele respondeu. Eu imaginava que seria algo de uma linha, como Welcome to Iceland, I love Brazil, mulatas, Ronaldinho… Errei e feio. Ele me passou uma lista gigante com as locações que gostava de fotografar e filmar, inclusive nas partes mais remotas do país. Infelizmente, o timing não bateu, mas por pouco não rolou uma cafeína com ele e sua esposa em Reykjávik. Toda sua família estava passando férias por lá, já que era verão.

O lugar se chama Valahnúkur e é realmente único. Valeu cada segundo de obstinação. Momento autoajuda: quando se há um propósito e objetivo, momentos incríveis podem acontecer. Caso eu chegue à próxima meta remota, Antártida, eu volto aqui para contar como foi.

 

Nota da Confeitariaveja aqui outras fotos incríveis que Jorge Sato tirou na Islândia. Nós somos fãs!

 

 

 

 Jorge Sato é um dos Autores Convidados da Confeitaria.

Jorge Sato é um fotógrafo obstinado batalhando para chegar a lugares misteriosos e inexplorados, através do universo analógico, sem se preocupar com técnicas perfeitas. No lugar, prefere manter a sensibilidade de um aprendiz.

Acompanhe mais de seu lindo trabalho também em seu tumblr.

Jorge Sato
Autor(a) convidado(a) da Confeitaria convidado(a).