Textos

12 de junho de 2015

15 músicas para passar o tempo

Tempo. O clique do metrônomo. A pulsação da música. Agrupado em valor igual, transforma-se em compasso. Possui seu espaço até na partitura. Não importa o ritmo, é o tempo quem define quando a música começa a existir e quando ela termina.

Mas não é só na teoria que o tempo ocupa seu papel na música. São infinitas as perspectivas em que o tema, de uma forma ou de outra, mostrando que é ele, como mocinho ou antagonista, quem comanda nossas vidas. E, para comprovar esse fato, lá vai um apanhado de 15 músicas em que o tempo aparece como personagem em homenagem ao lançamento do primeiro fanzine da Confeitaria, a antologia Tempo; Achados e Perdidos.

01. Just in Time — Nina Simone: Nada como ser salva da beira do abismo no timing perfeito e eternizar esta sensação em uma música incrível. Muito mais do que gratidão, a letra serve de inspiração para quem já não encontra esperanças. A sua hora ainda vai chegar.

02. I Don’t Wanna Grow Up — Ramones: Quem nunca? Mesmo os mais crescidinhos já se pegaram com este pensamento (ou refrão) na cabeça quando as contas não param de chegar por baixo da porta, as sacolas do supermercado rasgam e o relógio no escritório parece andar para trás.

03. Time to Pretend — MGMT: Quem sempre? Quantas vezes por dia temos que fingir alguma coisa? Da vontade de torcer o pescoço do coleguinha ao presente de aniversário não tão maneiro, essa música deveria ser a trilha sonora da vida em sociedade, se levarmos seu título ao pé da letra. Afinal, sinceridade kills.

04. As time Goes By — Sam (Dooley Wilson): Já no filme Casablanca, o personagem Sam canta lindamente que, apesar das angústias dos tempos modernos, certas coisas nunca mudam. Afinal, “a kiss is just a kiss”.

05. Modern Love — David Bowie: Já a visão de Bowie sobre o amor e os tempos modernos é um pouco mais diferente e que faz muito mais sucesso nas pistas de dança — apesar de levar as pessoas à loucura na era digital (um like na selfie do Instagram é apenas um like na selfie do instagram?).

06. Times They Are A Changin’ — Bob Dylan: Mas que Dylan já falava aos sete ventos pra quem quisesse (ou de preferência não) ouvir desde 64, com sua gaita e violão, que iria acontecer. E com a máxima que deveria ser resgatada para os dias de hoje: não criticar o que você não pode entender.

07. If I Was Young — Raveonettes: Aqui a dupla abre seu coração e lamenta sem dó tudo o que faria se o tempo já não tivesse levado sua juventude embora, colocando a culpa nas reviravoltas da vida, que nos deixam apenas com as memórias penduradas no varal.

08. Meio Fio — Rita Lee: É nesta música em que Rita Lee confessa que anda pra lá e pra cá com seu passado e seu futuro, com o que lembra e até com o que já se esqueceu. Porque não contente em ser tudo o que já vimos, o tempo é corte, mas também é cicatriz.

09. Always on My Mind — Elvis: Aqui a estrela já em sua fase final pede redenção a todos os seus ~eventuais~ erros do passado no relacionamento, declarando que a garota está sempre em sua pensamento. Mas alguém se esqueceu de avisar ao rei de que o tempo não volta.

10. Strawberry Fields Forever — Beatles: Já nessa música, o quarteto te convida para um refúgio psicodélico, onde nada é real (também conhecido como estado de negação). “Living is easy with eyes closed”? Para sempre? Ok, depois não reclamem do tempo perdido.

11. In Between Days — The Cure: Sabe aquela sensação de viver uma semana em um dia? Aquele mês que dura dois? Aqui Robert Smith mostra exatamente como o tempo também é uma questão psicológica, e como você pode envelhecer em apenas uma noite. Especialmente “without you”.

12. Sunday Night Blues — Garotas Suecas: A fatídica noite de domingo geralmente passa de um jeito tão incrivelmente lento e rápido ao mesmo tempo, com uma mistura de melancolia e sofrimento antecipado, que nos leva a reflexões únicas que merecem até um blues.

13. 24 Hour Party People — Happy Mondays: Mas não tem melancolia para pessoas que fazem da vida uma festa que nunca termina, como o pessoal do Happy Mondays (sério, você precisa ser muito do tipo que aproveita cada segundo da sua vida para conseguir colocar um nome desses na sua banda).

14, Last Nite — Strokes: Porém, para todo dia seguinte, existe uma Last Nite. Com uma incrível tendência a ser remoída, chafurdada, esmiuçada, dichavada, distorcida, causar vômitos e dor de cabeça e, para os mais sortudos, ser completamente apagada da sua memória.

15. Time Is On My Side — The Rolling Stones: Mas, no final das contas, o tempo não é tão maldoso quanto parece. O tempo é o que a gente faz dele e pode, sim, estar a nosso favor. Uma banda que está há mais de 50 anos nos palcos provavelmente sabe do que está falando.

* Imagem: gif do filme Casablanca

Débora Cassolatto
Leia mais textos de Débora aqui.