Textos

09 de agosto de 2015

Ilustração:
Eduardo Souzacampus

10 coisas que você precisa saber sobre a paternidade

Eu não gosto dessas datas inventadas por vereadores para estimular o comércio, como dia da criança, dia do cachorro, dia das mães, natal, ano novo… Tirando dia dos pais. Se bem que  é sempre um pouco chocante, você lá esperando um puta presente, uma cadeira de massagem, um Playstation, whisky escocês, um quilo de maconha, mas não, você ganha um, sei lá, cinzeiro de argila. Na verdade acho que era uma escultura chamada “papai e eu” mas tenho usado como cinzeiro, sem muito sucesso.

Falando em sem muito sucesso, chegamos ao primeiro item:

 

01. O mito do anticoncepcional

No meu caso, tenho a sensação de que poderia usar duas camisinhas, gozar fora, dar um nó cego na camisinha, jogar a camisinha no lixo, jogar o lixo no fogo e jogar o fogo no fundo do oceano e ainda assim, nove meses depois, apareceria um bebê, com um DIU em uma mão, uma pílula na outra, bradando “MEU NOME É HOUDINI”.

E para o meu próximo número eu vou precisar de uma assistente.

E para o meu próximo número eu vou precisar de uma assistente.

Parece piada, né? Mas dá uma olhada na bula do seu anticoncepcional. Digamos que você usa pílula, e o índice de falha seja de 0,1% considerando um fictício “uso perfeito”. Ou seja, de cada mil, uma fica grávida. Dados menos otimistas dizem que de cada cem mulheres que tomam pílula, entre uma e nove ficam grávidas. Sério.

Há quem diga que eu não sou fértil, só irresponsável. Por exemplo, você pode dizer que usa camisinha 50% das vezes. Mas se a primeira da noite for com e a segunda sem, esses 50% vão pro espaço. E olha que isso de dar duas, dar três, é muito otimismo, na minha idade são sempre três, duas tentativas e uma desistência.

E se você acha que abstinência sexual é um método 100% seguro, eu tenho duas palavras pra você: VIRGEM MARIA. Sério, se Jesus Cristo existiu ele é a prova viva de que os religiosos precisam de métodos mais realistas que a abstinência.

Úvulas, por exemplo, nunca ficam grávidas. Ou você pode usar crocs, talvez o único método anticoncepcional 100% seguro.

Agora se você já tem um filho e acha que o raio nunca cai duas vezes no mesmo lugar, olha, o que o raio mais faz é cair várias vezes no mesmo lugar. Oi, Texugo!

Falando em cair várias vezes no mesmo lugar…

 

02. Cada gravidez é diferente

Você acha que já aprendeu um monte de coisa e quando vê está de volta à estaca zero. O que é muito estranho, porque se fosse para contar estacas, quem começaria do zero? Ao contrário das estacas, cada gravidez tem suas peculiaridades, e cada filho é de um jeito. Mas a gente acaba aprendendo algumas coisas.

Por exemplo, dizem que quando seu primeiro filho engole uma moeda, você bota ele no carro e corre pro pronto socorro fazer raio X e o escambau. Quando seu segundo filho engole uma moeda, você fica monitorando ali a fralda, pra ter certeza de que a moeda vai sair uma hora. E quando seu terceiro filho engole uma moeda, você desconta da mesada desse filhodaputa, acha que dinheiro dá em árvores? Não dá. E eu também não sou sócio da light. Aliás…

Quando seu quinto filho engole uma moeda, você olha pra sua mulher e diz "ué nós temos 5?

Quando seu quinto filho engole uma moeda, você olha pra sua mulher e diz “ué nós temos 5?

 

03. Eles vão esculhambar seu calendário

Não é só que você passa a sentir o tempo de forma diferente. Se você já passou dos vinte e tantos, percebe que afinal muda muito pouco de um ano para outro, entra ano, sai ano, nossa já estamos em agosto, o ano mal começou… mas a quantidade de transformações em um ano de uma criança é uma loucura. Mais do que isso, os filhos são o espelho que reflete cada um dos seus anacronismos. Sabe por que os velhinhos usam roupas estranhas? Possivelmente eram as roupas que eles usavam no seu ápice, e ninguém se sente velhinho por dentro, fora eu que já nasci ranzinza. E o mesmo vale para expressões. Por exemplo, em plena era do celular, “cair a linha” nem faz sentido, e bater o telefone é meramente uma agressão física. Quando eu pergunto pra minha para-sempre-enteada em que série ela está, dado que todo ano eu esqueço, ela me olha com um olhar que mistura caridade e desdém e diz “Rê, não tem mais série, agora é ano”. E eu me lembro que dava o mesmo olhar pra minha mãe quando ela dizia algo sobre o “segundo ano do científico” e eu dizia que isso não existe mais, que agora é colegial.

- Filha, isso aqui no seu tablet é um livestreaming VR do meu supositório? - Pai, que é esse disco com números aqui no seu… sei lá que porra é essa?

– Filha, isso aqui no seu tablet é um livestreaming VR do meu supositório?
– Pai, que é esse disco com números aqui no seu… sei lá que porra é essa?

Vocês ficam aí dizendo “nossa, gênio”, ou “do caralho”, e já já isso vai soar igual e “é uma brasa, mora?”

Mas não fique chateado de ouvir isso, ou fique, até porque…

 

04. Eles vão ferrar sua sensibilidade

Eu fui assistir a Divertida Mente e chorei que nem um condenado. Antigamente eu não chorava nem em filmes que eram pra chorar. Você ganha essa nova conexão com o mundo, com os seus sentimentos, e fica pensando ONDE DESLIGA ESSA MERDA?

Essa TV ainda tem prestações???

Essa TV ainda tem prestações???

Pois é, não desliga. E mais, você sofre mais vezes, porque você consegue se identificar com ainda mais problemas. Por exemplo, você está vendo um filme em que acontece algo ruim com o personagem. Você não fica apenas triste pelo que aconteceu ao sujeito, você ainda pensa: “Meu Deus, o que os pais desse sujeito devem estar passando? Coitados!”.

Filmes em que as crianças sofrem, têm doenças ou são maltratadas passam a ser uma verdadeira angústia. Pensando bem, filmes em que isso não acontece também, haja visto que…

 

05. Mesmo em filmes divertidos você se pergunta “cadê o pai dessa criança?”

Dá uma olhada nesse artigo da Cracked. Mas se você tem preguiça, ou está cansado porque seu filho não dorme, eu te dou uma palha aqui. Por exemplo: sabe o escoteirinho fofo de Up, Altas Aventuras? Então. Ele está sozinho em uma zona de construção e conhece um velho que vai ser internado por agressão. O velho sequestra o menino e o leva para outro continente. Eles são perseguidos por cachorros assassinos, quase morrem várias vezes, roubam um dirigível e assistem enquanto um homem cai para a morte. Voltam no dirigível roubado, com os cachorros assassinos, o menino todo coberto de machucados, e, ainda sujo, o velho coloca uma medalha nele — em vez de ir pra cadeia. O que a mãe faz? Bate palmas!!! Maldita!

E lá se vai o sonho da casa própria.

E lá se vai o sonho da casa própria.

A mãe do menino do Sexto Sentido é a mais negligente do mundo quando você assiste ao filme sabendo que se o psicólogo era um fantasma, a mãe não deu nenhum apoio ou acompanhamento para aquele menino. Que dó. Mas ao mesmo tempo essa sensibilidade toda é discutível porque…

 

06. Você ainda pensa em esganar os filhosdaputinha

Pense no estresse, de um modo geral. Ele é muito útil pra você fugir de um leão. Mas não é tão bacana se o seu estresse é pensar em leões 24h por dia.

Da mesma forma, crianças choram. Em termos de biologia evolucionária, é um mecanismo de sobrevivência da espécie. Crianças que choram atraem a atenção dos pais para perigos imininentes… Até que chega uma hora que você pensa em defenestrar o malditinho. A combinação entre o choro estridente, não saber a causa, e o estresse de achar que tem um leão na sua casa prestes a devorar sua descendência é mais do que o seu gene egoísta pode suportar.  A sorte é que viemos de uma longa linhagem de pais que não defenestraram seus filhos — ao menos não todos. Mas quem disser que nunca pensou nisso está mentindo ou ainda não teve oportunidade.

Maldita classe econômica. Na classe executiva aposto que a aeromoça estrangula as crianças pra você.

Maldita classe econômica. Na classe executiva aposto que a aeromoça estrangula as crianças pra você.

Mais complicado ainda é quando é o filho dos outros. Quem nunca teve vontade de jogar um bebê alheio pela janela do avião? É insuportável. Rodou na internet umas fotos de um casal fofo que pediu desculpas preventivamente e distribuiu balas e tampões de ouvido aos outros passageiros. E aí as opiniões se dividem. Crianças são crianças e ninguém tem que se desculpar porque o filho chora no avião. Você precisa viajar e não existe um avião só pra pais com filhos, como existe o Cinematerna pros cinemas. A vida é assim. Por outro lado, às vezes o que resta é um tampão de ouvido ou um tapão no ouvido.

De qualquer forma, choro de criança é super estressante e pode afetar até sua vida sexual. O que nos leva, claro, a esse ponto: a sua nova vida sexual.

 

07. Como fazer sexo com crianças em casa

Antes que vocês chamem a polícia, lembrem que essa vírgula é opcional, e que a frase deve ser lida com a seguinte pausa “Como fazer sexo, com crianças em casa”. Eu sou absolutamente contra a pedofilia, até porque, como dizem nos EUA, “Pedophiles are fucking immature assholes”. Em qualquer caso, gente, porque eu entrei nessa seara? Polêmica gratuita fazer piada com um assunto super sério e excruciante, quando na verdade o tema é sexo, entre adultos, com consentimento e muitas vezes com sentimento. Como o sentimento de “acaba logo que já é hora da próxima mamada”.

Colocar eles fora de casa não vai ser necessariamente a melhor solução.

Colocar eles fora de casa não vai ser necessariamente a melhor solução.

Segundo o Alan, de Two and a Half Man, depois que você casa você passa a fazer ainda menos sexo que antes. O pediatra do filho dele, prestes a casar com sua ex, responde “Como menos? Eu não faço nenhum sexo.”. E o Alan explica: “Quando você se masturbar, ela vai te interromper”.

Olha, sério, você não vai conseguir mais nem ir ao banheiro em paz, e supostamente você só precisa de uma pessoa.

Mas tudo isso é mentira. Lenda, como “hoje não, estou com dor de cabeça” ou “sai daqui, eu nem te conheço, o que você está fazendo na minha casa?”. Sim, você está mais cansado, tem menos tempo, menos oportunidade, mais interrupções, mas quem quer, dá um jeito.

Que nem uma amiga minha, que é adepta da filosofia que filho tem que dormir na cama dos pais. Eu perguntei pra ela “E como vocês fazem pra fazer sexo, com o filho lá?” Ela respondeu: “Sexo, que porra é essa?”, mas eu insisti e ela disse: “No sofá, na cozinha… E, claro, sempre tem a casa do vizinho”.

Se você for casado, já deve ter descoberto que é mais fácil ser pai do que ser marido — por essas e outras razões. Mas se você for solteiro…

 

08. Criança é que nem cachorro

No sentido que você passeia com uma no parque e parece que acenderam um holofote na sua cabeça. Talvez tenha algo evolucionário aí também, você passa essa ideia que é como uma promessa de ser um bom pai, assim como peitões são uma promessa de alimento para as crias. Assim como os cachorros, as crianças são boas razões pra puxar assunto: “Seu filho sujou minha calçada, você não vai recolher essa fralda?”. Claro que esse efeito acontece mais com os homens, infelizmente reflexo da cultura machista em que vivemos. Qualquer pai que faz o mínimo, mesmo que isso seja uma fração da sua obrigação, é tratado como herói. Esse é o lado ruim. O lado bom é UAU NOSSA VOU ME DAR BEM.

Já estou considerando alugar os filhos para um passeio no parque, mediante módica quantia. Espero que o seguro cubra.

Na hora de cruzar parece que cachorro também é bem mais simples.

Na hora de cruzar parece que cachorro também é bem mais simples.

Se bem que, pensando melhor, não é justo dizer que criança é que nem cachorro, até porque o cachorro é como uma criança que estagnou no seu crescimento, naquela fase que te ama pra sempre, e a criança, para crescer, precisa quebrar seus ídolos um dia e…

 

09. Karma is a bitch

Seu filho vai te dizer coisas horríveis. Pergunte pros seus pais. Eu te odeio, quero que você morra, não pedi pra nascer… Verdadeiros clássicos. Você olha para aquele lindo bebê que você cuida com tanto amor e parece inimaginável que um dia ele possa te dizer coisas execráveis ou mesmo convidar os irmãos Cravinho para ir na sua casa. Mas faz parte do processo de amadurecimento de todo mundo.

O hálito também não ajuda. Assim dá até vontade de pular da ponte junto com os amiguinhos.

O hálito também não ajuda.
Assim dá até vontade de pular da ponte junto com os amiguinhos.

Eu já falei cada coisa pros meus pais. Ainda bem que arrependimento não mata, só causa úlceras, cabelo branco e espírito da escadaria.  Claro que, em um mundo justo, todo mundo deveria ter cuidado com o que fala, em especial os adolescentes.

Mas, justo? O mundo tem sua própria justiça, que é caracterizada por um grave senso de ironia, vingança, maldição e, claro, injustiça. Então se meus filhos fizerem comigo metade das coisas que eu já fiz pros meus pais, sério, eu estou muito ferrado.

E isso falando só das ofensas. Tem os sustos, sumiços, acidentes…  tem uns que eles nem sabem. Meus pais nunca me deram mobilete, mas eu saía escondido com os amigos, apesar deles terem proibido. A gente pegava até a Marginal. Eu já consegui ter acidente de carro, de moto, de barco, de bicicleta, de esqui, e em todos eles poderia ter dado morte. Pensando bem nunca mais vou deixar meus filhos saírem de casa. Dizem que a gente cria os filhos pro mundo, mas na hora que o mundo vem buscar a gente sempre manda dizer que não tem ninguém em casa.

Afinal…

 

10. É a melhor coisa que já aconteceu na sua vida, exceto quando não

Não existe esse mito da gravidez mágica, do amor instantâneo, automático. Olha quantos maus pais e mães, os ausentes, os que abandonam, os que maltratam. Muita gente bacana às vezes sofre de culpas terríveis por não sentir esse amor mágico nescafé instantâneo. Não que isso não exista, mas não é conto de fadas.

Veja, qualquer imbecil pode virar pai. Qualquer moleque que já produza espermatozóides. Mas pai é quem cria. Quem está lá. É um estado de espírito. Não importa se são dois pais, duas mães, pai solteiro, o mordomo (o Alfred foi um puta pai pro Bruce apesar de ter falhado miseravelmente no final). E para quem decide ser essa pessoa, as recompensas são infinitas.

Filho não deve ser tudo na vida. Não apenas porque ser a única fonte de felicidade dos pais é um peso terrível para uma criança carregar, mas porque se você quer que seu filho seja feliz, você tem que dar o exemplo. E o exemplo não é ser feliz o tempo todo, o que seria impossível mesmo sem os nove itens acima. Ah, quem eu estou tentando enganar? Ter filho é tudo na (minha) vida. Nunca fui tão feliz. Nesse dia dos pais, eu que agradeço: obrigado, meus filhos, por me ajudarem a ser quem eu sou hoje.

Feliz dia do pai presumido!

Feliz dia do pai presumido!

 

* Ilustrações de Eduardo Souzacampus para a Confeitaria

Renato Kaufmann
Leia mais textos de Renato aqui.