Textos

09 de dezembro de 2015

Será que é racismo?

As redes sociais hoje são um campo de disputa de narrativas pelas chamadas minorias brasileiras, aqueles grupos que, mesmo sendo a maioria quantitativa, no que diz respeito à qualidade de vida, dignidade e aos direitos garantidos, tornam-se marginalizados socialmente.

Quando nós usamos as redes para dar visibilidade para nossas dores e nossas lutas, queremos chamar atenção para fatos que foram naturalizados por uma sociedade que segue regras opressoras.

Primeiro vieram os filtros para fotos de perfis (o mais popular foi o da bandeira LGBT). Depois as hashtags #meuprimeiroassédio, #agoraéquesãoelas, #meuamigosecreto, que foram invadindo a rede e mostrando a força e a importância do protagonismo das mulheres no feminismo.

Agora o novo protesto nas redes é a hashtag #seráqueéracismo. A sua criação foi motivada após o assassinato de cinco garotos negros: Roberto, Carlos, Cleiton, Wilton e Wesley levaram exatamente 111 tiros da polícia. Assim como muitos jovens de sua faixa etária (entre 15 e 20 anos), eles estavam comemorando o primeiro emprego de um deles.

O problema dessa história triste é que, infelizmente, não se trata de um acontecimento isolado. No Brasil, são mortos em média 82 jovens por dia. Isso significa quase 30 mil jovens mortos a cada ano. E destes jovens, 77% são negros. Com isso, são aproximadamente 23.100 jovens negros mortos por ano. Temos claramente uma situação de genocídio. Entretanto, as pessoas negam que a motivação desses números seja racial.

É mais fácil dizer que é questão de classe, é mais fácil dizer que é falta de sorte do que assumir que estamos num país racista, que a democracia racial é inexistente, e que não, não somos todos “negros”. Quem tem a marca negra sabe o que isso significa. Afinal, o racismo no Brasil não dá trégua. Ele é institucionalizado — machuca, cala e destrói vidas.

Independente da sua classe, gênero, orientação sexual, sofrer racismo é o que une os não privilegiados socialmente pela branquitude. E quando falamos de privilégios, estamos falando de inúmeros fatores que colocam alguém em uma condição favorável socialmente. Num país como o nosso, em que muitos não têm rede de esgoto, se a sua casa possui, é um privilégio. Saber ler, escrever, ter uma alimentação balanceada, poder fazer universidade, ter água na torneira são mais exemplos de privilégio.

Posso passar o dia listando, entretanto prefiro te surpreender dizendo que conseguir pegar um táxi sendo uma pessoa branca é um privilégio:

#‎SeráQueÉRacismo‬ quando passo vários minutos com minha filha no colo tentando pegar um táxi e nenhum deles para, apenas quando um branco se ‘solidariza’ e dá sinal pra mim?  — post de Thayná Trindade

Aí você pode achar que é um caso isolado. Só que não, não é.

Quatro pretos tentaram pegar um táxi, mais de dez passaram, nenhum parou… #‎seráqueéracismo‬? Mas é só um táxi. É um táxi que não para, pois no Brasil a imagem do negro está associada à criminalidade. Um exemplo é o tratamento hostil dado por seguranças a pessoas como eu. — post de Jessyca Liris

‪#‎Seráqueéracismo‬ quando eu e minha companheira preta, estamos numa loja e somos seguidas por um segurança branco, e quando perguntamos o pq dele estar nos seguindo, responde “só to fazendo meu trabalho. #‎éRACISMOsim‬ — post de Jéssica Ipólito

#Seráqueéracismo‬ você estar com um grupo de amigos brancos e ser o único revistado na entrada da balada?” — post de Eliane Oliveira

O negro associado ao marginal criminoso se estende a situações como esta:

Mesma sala de aula, dois alunos que fazem uso e abuso de drogas. Um branco, outro preto. O primeiro é tratado como coitadinho, tão esforçado, “a gente tinha que fazer alguma coisa”; o segundo é tratado como marginal, nem deveria estar na escola…#‎seráqueéracismo‬? — post de Eduarda Lamanes

As prisões brasileiras seguem essa tática de criminalizar atos para negros e liberá-los para brancos. Um simples cigarro de maconha na mão de um menino negro  pode arruinar sua vida e colocá-lo numa cela superlotada caso ele seja pego pela polícia. O mesmo cigarro na mão de um jovem branco é apenas uma “fase”. Se nossos atos nos criminalizam, nossa estética nos limita espaços:

#‎SeráQueÉRacismo‬ a mulher falar que pra ser advogada eu vou ter que alisar meu cabelo pra parecer mais profissional????????????? — post de Fernanda Marcellino

‪#‎Seráqueéracismo‬ Quando fui proibida de entrar na instituição de ensino que estudo pois, segundo a coordenação disciplinar, meu cabelo era volumoso demais para os “padrões” do colégio. — post de Ellen Roots

Nossa sexualidade é brutalizada:

#‎Seráqueéracismo‬ quando o cara diz que com as negras tem vontade de transar brutalmente enquanto que com as “branquinhas” tem vontade de ser delicado na hora do sexo? — post de Beatriz Anarka

‪#‎Seráqueéracismo‬ “sempre quis transar com um pretinho” — post de Ibu Lucas

Pois nosso corpo negro é tratado como bom para o trabalho e para o sexo, desde quando éramos escravizados. O brasileiro ainda segue a mesma mentalidade de senhores de engenho, mesmo que estejamos falando de meros cidadãos comuns.

‪#‎Seráqueéracismo‬: se você olhar em volta e perceber que não existem negros presentes pode ter certeza de que existe algum mecanismo de exclusão operando em algum ponto de acesso, não importa qual seja o lugar – grupo de amigos, universidade, trabalho, boteco, cinema…Olhe em volta agora, ‪#‎éracismosim‬! — post de Marcio Black

Entretanto muitas pessoas vão negar mesmo que:De 555 colunistas e blogueiros de veículos como Folha, R7, O Globo, O Estado de São Paulo, Época, Veja, G1, Uol,apenas seis são negros. Dos 18.400 professores universitários nas principais universidades do país (UFRGS, USP, UFRJ, Unicamp, UNB, UFSCAR e UFMG), só 70 são negros. Os números apontam que 60% da mortalidade materna acontecer entre mulheres negras. Entre 16 e 24 anos, as mulheres negras têm três vezes mais probabilidade de ser estupradas do que mulheres de outras etnias. 67% das crianças à espera de adoção são negras, mas 58% das famílias não aceitam crianças que não sejam brancas. E, finalizando, o número de homicídios de mulheres negras aumentou 54% no país, enquanto o de mulheres brancas diminui.

Se estes dados somados a todos os relatos do movimento #seráqueéracismo não te fizerem acreditar que SIM, É RACISMO, não posso fazer mais nada a não ser dizer que o seu privilégio te cega e te impede de ter empatia. E empatia e conhecimento sobre como o racismo age no país é o que pessoas brancas precisam ter. Afinal, não podemos lembrar que o racismo existe apenas quando negros desaparecem, como aconteceu com Amarildo, ou quando são arrastados por 350 metros, como ocorreu com Cláudia. Precisamos nos lembrar disso também quando nós negros ainda estamos vivos, em um país onde isso é também, infelizmente, um privilégio.

Como disse Aline Cardoso, a hashtag #‎seráqueéracismo‬ é tão dolorosa quanto ‪#‎meuamigosecreto‬, porém necessária.

 

* Ilustração de Duds Saldanha

Stephanie Ribeiro
Leia mais textos de Stephanie aqui.