Pé na Bunda, Textos

21 de novembro de 2012

Projeto Pé na Bunda – Parte V

O casamento perfeito se dá entre uma mulher cega e um marido surdo.

– Michel de Montaigne

Mais uma trinca de depoimentos do Projeto Pé na Bunda:

 

013

Todo domingo ele ligava na pizzaria do bairro e pedia uma inteira de carciofini. Eu não aguentava mais comer carciofini todo domingo depois do Faustão. Será que não dava para pedir meia mussarela? Todo mundo gosta de mussarela. Eu gosto de mussarela. Mas era sempre carciofini. Carciofini. Carciofini. Carciofini é alcachofra, você sabia?

 

014

O filme era bom. Comédia redondinha. O timing dos atores estava perfeito e a direção um show. Tava todo mundo rindo. Só não é possível rir daquela maneira. Pensei até em pular uma cadeira e me desvencilhar dele. É, talvez a solução fosse essa. Pular uma ou duas fileiras para frente e virar a cabeça pra trás com um olhar de repreensão. Fingiria que estava sozinha e que aquele cara dando risadas estava me incomodando tanto quanto aos outros espectadores. Mas não me mexi. Fiquei ali ao lado do saco de risadas. Parecia o Edson Cordeiro cantando La nozze de Figaro. Do meio pra frente eu nem me lembro mais do filme. Só ouvia as risadas preenchendo a escuridão da sala. Pareciam sólidas. Se tivesse uma faca, cortaria as risadas para que não ficassem na frente da tela. Quando as luzes se acenderam fiquei aliviada. Mas as risadas não paravam. Ecoavam na minha cabeça. Até hoje, sete anos depois do fim do nosso relacionamento, ouço as risadas. É só ficar quietinha em algum lugar, lendo um livro na cama por exemplo, que elas voltam a me assombrar.

 

015

Tinha seios vesgos que me lembravam o Homer Simpson. Um homem digno não pode ser obrigado a encarar aqueles olhos toda vez que vai para cama. Claro que não disse nada para ela. Falei que era um lance de pele. De pele amarela, quase completei.

 

* Ilustração de Aldo Fabrini.

** Que tal mandar os seus comentários e as suas histórias para o Tobias também? Afinal, todos nós já experimentamos, ao menos uma vez na vida, os dilemas e as angústias de uma separação – tanto do ponto de vista do pé como da bunda, não é? 😉

Tobias Silva
Leia mais textos de Tobias aqui.